Diário de uma paixão

Um dos filmes que mais me emocionou, nos últimos tempos, foi “Diário de uma paixão“, lançado em agosto de 2004, com direção de Nick Cassavetes.

O drama se passa no presente, em uma clínica geriátrica, onde o marido se interna voluntariamente para acompanhar sua esposa que sofre com problemas de memória, lendo para ela o conteúdo de um diário. É a história do romance entre os dois. E o filme alterna imagens do presente e do passado com cenas belíssimas.

Dois jovens enamorados que, em 1940, se conheceram num parque de diversões e foram separados pelos pais dela, que nunca aprovaram o namoro, pois ele era um trabalhador braçal e oriundo de uma família sem recursos financeiros. Para evitar qualquer aproximação, seus pais a mandam para longe. Por um ano ele lhe escreve todos os dias mas não obteve resposta, pois a mãe dela interceptava suas cartas. Crendo que ela não estava mais interessada, ele escreve uma carta de despedida e tenta se conformar. Ela esperava notícias dele, mas após sete anos desistiu de esperar ao conhecer um charmoso oficial, que serviu na 2ª Grande Guerra e pertencia a uma família muito rica. Estavam prestes a se casar, mas o destino a faria se reencontrar com seu antigo amor.

As maiores emoções ficam por conta da dedicação do marido, que se entristece quando a esposa não o reconhece e se alegra com seus breves momentos de lucidez. Vejam o trailer em: Diário de uma paixão.

Pois bem, hoje tomei conhecimento de que algo semelhante acontece na vida real. O inglês Jack Potter luta para que a sua esposa Phyllis mantenha as lembranças de uma união de mais de 70 anos, conforme narra em entrevista ao Daily Mail. Vi a notícia em: Diário de uma paixão” da vida real: homem lê diário para esposa com amnésia

Convido a todos a ler a matéria e ver o belo filme. É realmente inspirador.

Eduardo Leal

Diário de uma paixão

Os Benefícios da Amizade e da Boa Comunicação

Ter amigos e cultivar amizades faz bem pra saúde!

Manter um círculo de amizades ou estar inserido em algum grupo social mostrou-se um remédio eficaz para prevenir diversas enfermidades, segundo pesquisas realizadas no Departamento de Psicologia da Universidade de Chicago por Louise Hawkley, diretora e pesquisadora do Laboratório de Neurociência Social.

Permanecer isolado socialmente pode acarretar alterações significativas em nossa saúde, pois essa condição tem sido relacionada à depressão, diminuição do sono e da capacidade cognitiva, doença de Alzheimer e até mortalidade. Além disso, a solidão tem sido relacionada a aumento da pressão sanguínea, alterações no sistema imunológico, arteriosclerose, diabetes, inflamações e contrações nos vasos sanguíneos. Alcoolismo, sedentarismo e obesidade aparecem igualmente na lista dos males de quem vive só.

Vejam a interessante matéria da revista on-line vidasaúde em:

Amizade só faz bem

Um dos colaboradores dessa pesquisa, John Cacioppo, autor do livro “Loneliness – human nature and the need for social connection” (“Solidão, a natureza humana e a necessidade de conexão social”, ed. Norton) sintetizou uma série de atitudes que podem ser entendidas como ações preventivas para se manter longe das doenças. Ele propõe o acrônimo EASE (fácil):

E, de Expose. Expor-se ou tomar a iniciativa de oferecer ao outro um gesto ou uma palavra gentil;

A, de Action Plan. Estabelecer um Plano de Ação em que se define que tipo de amizades você deseja;

S, de Selection. Seleção cuidadosa dos amigos, buscando amizades de qualidade e não um vasto número de amigos superficiais; e

E, de Expect the best. Esperar o melhor alimentando expectativas positivas.

A interessante matéria da revista on-line vivasaúde relata ainda a existência de outros dois estudos:

Pesquisas realizadas pelo Centro do Envelhecimento da Universidade de Flinders (Adelaide/Austrália) confirmam as conclusões da pesquisadora americana e conclui que ter amigos está ligado à longevidade: pessoas com uma boa rede de amigos e confidentes vivem 22% mais tempo do que aqueles que se isolam.

A pesquisa australiana revelou que, embora a família seja importante, sua influência para a saúde não é tão grande como a dos amigos que, normalmente, são nossos maiores incentivadores para nos cuidarmos melhor, parar de fumar ou beber e procurar ajuda médica diante de algum sinal físico importante. Além disso, são os amigos que estão por perto para ouvir e ajudar a enfrentar os momentos difíceis, muitas vezes vividos dentro da própria família.

Outra pesquisa realizada na Universidade de Toronto e publicada na revista Psychological Science concluiu que as metáforas relativas à solidão, ligadas ao frio, correspondem à realidade dos fatos. Pessoas que se sentem excluídas sentem mais frio porque sentir-se só altera a capacidade de percepção de calor.

Para aqueles que desejam construir laços de amizade, mas não sabem como fazê-lo, o médico, sociólogo e psicoterapeuta italiano Francesco Alberoni, autor do livro “A amizade” (Ed. Rocco), aconselha tranquilidade e otimismo e uma estratégia mais direta: “Devemos pedir aos outros aquilo que desejamos e perguntar a eles o que esperam de nós”.

Refletindo a respeito dessas notícias que até não são tão novas assim, pois já foram publicadas há muito tempo, mas continuam muito atuais pelo interesse que despertam e pela sua relevância, reafirmo minha crença de que “Viver bem é estabelecer, manter e aprofundar relacionamentos saudáveis”.

Em meu outro Blog, o “Três Coisas”, tenho postado periodicamente crônicas, prosa, poesia e haicai a respeito da amizade. Vejam alguns desses Posts, os mais antigos, em:

Garrafa 15 – Para você, com carinho

Garrafa 28 – Voltando com amigos

Garrafa 85 – Amizade

Além disso, ao longo dos últimos anos, cresceram minhas convicções de que a base para o estabelecimento e manutenção de relacionamentos saudáveis são a Confiança e o Respeito que, por sua vez, dependem em grande medida da Capacidade de Comunicação das pessoas envolvidas nesse relacionamento.

Estou alinhado com o pensamento do Dr. Alberoni de que, no estabelecimento de relacionamentos de amizade vale a adoção de uma estratégia direta e assertiva: de apresentar claramente nossas necessidades e, também, de reconhecer as necessidades do outro. A partir disso, desenvolvi um treinamento modular que ofereço em cursos abertos, “In Company”, ou como consultoria individual para desenvolver a Capacidade de Comunicação de pessoas e equipes. Trata-se da Oficina de Comunicação e Desenvolvimento Pessoal.

Vejam as informações da última Oficina (curso aberto) ministrada em 2012 em:

Oficina de Comunicação e Desenvolvimento pessoal

Temos recebido ótimos feedbacks dos participantes desse treinamento relatando benefícios de utilização desses conceitos tanto nos campos profissional quanto no pessoal.

Nesse início de 2013, o treinamento já está sendo realizado “In Company” em uma empresa do setor de embalagens industriais e como consultoria individual para uma cliente, que também é uma Exploradora de Novas Possibilidades de Futuro vivenciando o processo de Coaching Centrado em Valores.

Será que essa informação pode ser de utilidade para alguém, em algum momento, em algum lugar? Compartilhem com seus amigos!

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Amizade

Os Benefícios da Leitura de Poesia

Os resultados de uma pesquisa realizada na Universidade de Liverpool e antecipados pelo jornal britânico “Daily Telegraph”, no dia de ontem, mostram que a atividade do lado direito do cérebro fica intensificada quando o leitor encontra palavras incomuns ou frases com uma estrutura semântica complexa, como a encontrada em textos de poesia, mas não reage quando esse mesmo conteúdo se expressa com fórmulas de uso cotidiano.

Especialistas em ciência, psicologia e literatura inglesa daquela universidade monitoraram a atividade cerebral de 30 voluntários que leram primeiro trechos de textos clássicos e, depois, leram essas mesmas passagens traduzidas para uma linguagem coloquial.

Segundo esse estudo, ler autores como Shakespeare, William Wordsworth e T.S. Eliot, estimula a mente e esses efeitos se mantêm durante um tempo, potencializando a atenção do indivíduo. A poesia, portanto, pode ser mais eficaz, em tratamentos, do que a leitura de livros de autoajuda.

Vejam mais a respeito em: Ler poesia é mais útil para o cérebro que livros de autoajuda, dizem cientistas

Pesquisando uma definição de poesia feita por um dos autores citados, Thomas S. Eliot, encontrei o seguinte:

“Poetry is not a turning loose of emotion, but an escape from emotion; it is not the expression of personality, but an escape from personality. But, of course, only those who have personality and emotions know what it means to want to escape from these things….”

“A poesia não é uma perda de controle da emoção, mas uma fuga da emoção; não é a expressão da personalidade, mas uma fuga da personalidade. Mas, é claro, somente aqueles que têm personalidade e emoções sabem o que significa querer escapar dessas coisas…”

Como admirador da obra de Eliot, no meu outro blog já postei pelo menos duas citações de suas visões poéticas. Vejam em:

Garrafa 156 – O Explorador

Garrafa 182 – Mente tranquila

Acho que agora entendo melhor minhas reações corporais quando entro em contato com essas palavras: É o resultado de alguma agitação no lado direito do meu cérebro …

Eduardo Leal
Ilustração de autor desconhecido

Hemisférios cerebrais

Percepção alterada de objetos de desejo

Notícias já divulgadas, desde 2010, dão conta de que pesquisas das Universidades de Nova York e Cornell indicam que sofremos alterações no nosso sistema de percepção, quando estabelecemos objetivos e metas que consideramos valiosos.

Vejam em: Objetos desejados parecem mais próximos, diz pesquisa

Aparentemente, segundo os pesquisadores, essas percepções alteradas com que a Natureza parece nos dotar, fazendo com que nossos objetos de desejo pareçam mais próximos (ao nosso alcance), podem favorecer nossos esforços de continuar seguindo em sua direção, até alcançá-los. Penso que isso pode ser, também, um estímulo natural à nossa capacidade de persistir.

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Persistencia

Atividade física e habilidades mentais

Matéria publicada no O GLOBO CIÊNCIA divulga pesquisas que procuram confirmar a hipótese de que nosso cérebro foi moldado e se tornou mais apurado pelo movimento, e até hoje demanda atividades físicas para funcionar adequadamente.

Leiam mais sobre esse assunto em: Evolução do cérebro está ligada à prática de exercícios

John Polk, professor de antropologia da Universidade de Illionois em Urbana-Champaign, e coautor do novo artigo junto com o antropólogo na Universidade do Arizona David Raichlen, afirma que estudos recentes mostraram que “exercício regular, mesmo a caminhada” leva a habilidades mentais apuradas, o que foi registrado da infância até a terceira idade. Isso o leva a creditar que que existe uma sólida relação entre um corpo saudável e uma mente saudável.

De minha parte compartilho dessa crença de que corpo e mente formam um sistema interdependente: atuando na mente, o corpo reage; atuando no corpo a mente reage. Desde que tomei conhecimento da Programação Neurolinguística – PNL, a partir do ano 2000, uso em meus trabalhos de Coaching Centrado em Valores, de Consultoria em Planejemento Estratégico e Planos de Negócio e em Treinamentos um modelo simplificado conhecido como a “Tétrade da Neurolinguística” que, além da mente (pensamento) e do corpo (fisiologia), inclui mais dois elementos, a linguagem e o estado.

Estando esses quatro elementos ligados de maneira interdependente, quando desejamos mudar nosso estado interno para, por exemplo, entrar em um estado em que temos acesso a uma quantidade maior de recursos, podemos atuar em todos eles em conjunto ou em qualquer um dos outros três elementos individualmente: no foco do pensamento, na linguagem que ulilizamos no nosso diálogo interno e na fisiologia do nosso corpo. Não é uma ótima notícia, essa possibilidade?

Por outro lado, desenvolvimentos recentes na Neurociência lançam luz sobre como o cérebro recebe, organiza e distribui informações para orientar nossas acões. E problemas normalmente associados ao envelhecimento têm sido relacionados ao funcionamento do córtex cerebral e do hipocampo.

Outra boa notícia é o surgimento de novos métodos que podem ser incorporados às atividades diárias a fim de desenvolver e manter as conexões cerebrais, os exercícios neuróbicos. Esses exercícios envolvem a ativação de muitas áreas diferentes do cérebro, de novas maneiras, para ampliar o alcance da ação mental.

Vejam mais a respeito, nessa dica de leitura, no site da Editora Sextante: o livro “Mantenha o seu cérebro vivo” de Lawrence C. Katz e Manning Rubin no artigo Como manter seu cérebro vivo

Encontrando algo de interessante nessas informações, compartilhe seu conteúdo com amigos e familiares e passe a incluir, nas suas atividades diárias, alguns exercícios físicos e neuróbicos.

Eduardo Leal
Ilustração de Eduardo Leal – A Tétrade da Neurolingüística

Tetrade da Neurolinguistica

A Importância da Gratidão

No final do ano passado, ouvi matéria veiculada pela Rádio CBN, no módulo CBN Saúde e Bem-Estar, em que Tânia Morales conversa com Cristiane Segatto que reporta estudos realizados em algumas universidades norte-americanas constatando os benefícios à saúde proporcionados pela prática da gratidão.

Na ocasião, divulguei o link por e-mail para alguns amigos e amigas mais próximos, com um bilhetinho de agradecimento pela nossa amizade.

Neste início de ano, época de balanços sobre os acontecimentos do ano passado e renovação de laços de relacionamento e amizade com nossos familiares e amigos, que tal divulgar esta notícia acompanhada pelo envio de um abraço apertado?

Ouçam o podcast em: CBN Saúde e Bem-Estar: Os benefícios da gratidão à saúde física e mental

Já solicitei informações sobre os trabalhos de referência e pretendo divulgá-los também, quando tomar conhecimento das informações complementares.

Independentemente dos resultados dessas novas pesquisas, essa é uma crença que adotei há muito tempo e tenho compartilhado com os participantes de Oficinas, Cursos, Palestras e com os leitores dos meus artigos e posts divulgados pela Internet, especialmente quando abordo o tema do Feedback Positivo.

E mesmo quando é saudável e necessário expressar desagrado, no caso do Feedback Construtivo, o Método do Hambúrguer sugere encapsular a crítica entre dois comentários positivos. Vejam algumas ideias a respeito em:

Garrafa 284 – Falar ou calar

Sou grato, antecipadamente, àqueles que, encontrando algo de interessante nessa notícia, a compartilhem com seus amigos e familiares.

Que, a partir de 2013, os seus corações possam estrar sempre preenchidos com o sentimento, as palavras e uma atitude de gratidão pelo dom da vida e pelo estabelecimento de relacionamentos saudáveis.

Eduardo Leal
Foto de autor desconhecido

Gratidão